Como tratar a vaginose bacteriana

Vaginose bacteriana ou VB é umas das causas de corrimento vaginal e odor que faz com que as mulheres procurem ajuda médica. Este problema surge devido a um desequilíbrio da flora vaginal, que resulta num crescimento excessivo de bactérias nocivas. Para além de sintomas desconfortáveis, se a VB não for tratada, pode aumentar o risco de contrair DST’s, como HIV ou Herpes. Aumenta também o risco de aborto ou parto prematuro, e mulheres com VB são mais suscetíveis a infeções após cirurgias na zona pélvica como cesarianas ou histerectomias. Estas são algumas razões de ser tão importante tratar a vaginose bacteriana com medicação apropriada antes que surja alguma complicação.

Como é diagnosticada a VB?

Não será necessário relembrar que se verificar alterações no corrimento, odor a peixe, prurido, ardor ou outro desconforto vaginal, deve consultar o seu médico se o problema persistir. Não seja tímida – quanto mais informação der ao seu médico, mais fácil será para diagnosticar o problema corretamente.

O seu médico poderá realizar um exame pélvico, onde irá visualizar e inspecionar a sua vagina e colo do útero. Ele também poderá retirar amostras das suas paredes vaginais (com um cotonete) para analisar ao microscópio sinais de certas infeções. Este procedimento não é doloroso, mas poderá ser desconfortável, por isso assegure-se que respira e relaxa o mais possível.

Outro teste que o seu médico poderá realizar é intitulado de teste de cheiro – é misturado uma gota de hidróxido de potássio com a amostra da parede vaginal. Em caso de infeção bacteriana (vaginose bacteriana), é libertado um odor a peixe, confirmando o diagnóstico. Outro sinal que pode confirmar o diagnóstico é o valor do pH vaginal acima de 4.5.

Tratamento de vaginose bacteriana

Cerca de 30% das infeções resolvem-se por si só, devido aos nossos mecanismos de defesa. Contudo, se os sintomas que mencionámos não desaparecerem em alguns dias, é necessário uma terapia específica, especialmente durante a gravidez. Apesar de existirem medicamentos não-antibióticos, o seu médico irá provavelmente prescrever antibióticos para tratar a VB.

Os antibióticos mais comuns são:

  • Metonidazole* comprimidos ou gel vaginal
  • Clindamicina** comprimidos, creme vaginal ou supositórios vaginais
  • Tinidazol* comprimidos

*Evite consumir álcool durante o tratamento com antibióticos, e a longo das 24 horas após o último comprimido para prevenir náuseas ou dores abdominais.

**Clindamicina em creme e supositórios vaginais podem fragilizar preservativos de látex ou diafragmas até 5 dias após o uso.

Para além dos efeitos secundários indicados, os antibióticos podem perturbar a flora vaginal benéfica, que poderá levar a infeções fúngicas (candidíase) ou recorrências de VB. Equilibre a sua flora vaginal saudável (lactobacilos) durante e após, terminar o tratamento de antibióticos, usando prébioticos que estimulem o crescimento das bactérias saudáveis e mantenham a sua saúde vaginal equilibrada.

A alternativa aos antibióticos é utilizar produtos naturais que restaurem o pH da vagina, tenham efeitos secundários praticamente inexistentes, e permitam que as bactérias saudáveis equilibrem a flora vaginal.


"Antibióticos são o tratamento mais comum mas desequilibram a flora vaginal benéfica, causando problemas recorrentes."